Dom Mutsaerts à InfoVaticana: "Em 2000 anos, nunca vimos tantas pessoas se oporem a uma Declaração Romana"

27/02/2024

Muitos de vocês já conhecerão Rob Mutsaerts, bispo auxiliar de Bolonha, Holanda. Nestas páginas, já falamos sobre isso em várias ocasiões.

Por Javier Arias 

O bispo Mutsaerts defende destemida e corajosamente a doutrina católica do norte da Europa através de seu blog pessoal. Nos últimos meses, este bispo holandês posicionou-se contra os suplicantes da Fiducia, saiu em defesa do bispo Strickland, demitido há alguns meses pelo Papa Francisco, e tem criticado o desenvolvimento do Sínodo sobre a Sinodalidade.

Sobre essas e algumas outras questões, Monsenhor Mutsaerts voltou a falar em entrevista ao InfoVaticana:

P: Estamos passando por momentos difíceis dentro da Igreja. Como você definiria os tempos que a Igreja está vivendo agora?

R- Os tempos são extremamente confusos. Uma das principais tarefas do papa é criar clareza onde há confusão. O Papa Francisco é seletivo ao responder perguntas (algumas "dubias" nunca são respondidas, outras são respondidas prontamente), e suas respostas são muitas vezes abertas a múltiplas interpretações, levando a mais confusão e divisão. Considere a Amoris Laetitia. É permitido a alguém que não está em estado de graça receber a Santa Comunhão? A resposta inequívoca da Igreja sempre foi um sonoro "não". Amoris Laetitia contém muitas afirmações cuja imprecisão ou ambiguidade permite interpretações contrárias à fé ou à moral, ou que sugerem uma afirmação contrária à fé e à moral sem realmente afirmá-la.

Não descarto que o Papa Francisco dê novos passos na direção que tomou

P-Em seu blog, você falou muito claramente contra os supplians Fiducia. Você acha que é possível que, no futuro, a Igreja possa dar outro passo nessa direção?

A-Fiducia Supplicans também é problemático. Pode um sacerdote abençoar os pecadores? Obviamente, sim. O pecado pode abençoar? Obviamente que não. É neste ponto que FS erra o ponto. FS diz que as uniões homossexuais podem ser abençoadas. Esta é uma doutrina contrária aos ensinamentos da Igreja Católica. FS gerou muita polêmica. Não ajuda que o cardeal Fernández faça uma distinção artificial entre "casal" e "união" em resposta às críticas. Um padre pode abençoar o "casal", mas não a "união", o que não faz sentido. No final das contas, é um casal porque há uma união. O que também não ajuda é a afirmação do papa Francisco de que os padres nas prisões também podem abençoar os maiores criminosos. Sim, eles podem, mas nós não abençoamos suas atividades. Posso abençoar ladrões, mas não suas atividades. Posso abençoar os homossexuais, mas não a união deles. Não descarto que o Papa Francisco dê novos passos na direção que tomou. Mas também sabemos que onde não há continuidade há uma ruptura com a tradição. Não vimos isso antes em 2.000 anos. Que há uma ruptura com a Tradição pode ser evidente a partir da resistência. Em 2000 anos, nunca vimos tantas pessoas – ou mesmo um continente inteiro – se oporem a uma Declaração Romana.

P: Você também falou sobre a demissão do bispo Strickland, por que você acha que o Vaticano é tão bispos como Strickland e, no entanto, nada acontece com os alemães que falam contra a doutrina e a moral católicas?

R: "Todos, todos, todos", diz o Papa Francisco: todos são bem-vindos. Todo? Parece que se abre uma exceção com as tradicionais. O tom de Traditiones Custodes é duro. E quantas vezes são chamados de termos rígidos e mais estranhos? Solicite a Missa Tradicional e você será cancelado. Um homem de fala mansa como o bispo Strickland é um dos muitos exemplos. Os bispos alemães e belgas que defendem repetidamente mudanças na doutrina e na moral da Igreja são tratados com bondade. Marca o atual pontificado.

P: O Sínodo sobre a Sinodalidade será concluído em outubro próximo. Você acha que algo de bom pode sair disso?

R: O Sínodo sobre a Sinodalidade continua. A sessão anterior, que durou um mês inteiro, não produziu nada de concreto. O documento de mais de 40 páginas mostra uma sucessão de generalidades, linguagem confusa e descrições confusas sobre acompanhamento e pessoas lutando com sua orientação sexual. Não poderia ser de outra forma quando não há agenda e tudo é negociável e só nos permite ouvir. Espero que a próxima sessão tenha um resultado semelhante.

A ortodoxia tem sido geralmente a resposta que anuncia a recuperação

A descristianização e o secularismo avançam por toda a Europa. Em sua opinião, qual é a solução para a Europa voltar a ser um continente católico?

Em O Homem Eterno, Chesterton descreve as "Cinco Mortes da Fé", os cinco momentos da história em que o cristianismo estava condenado a desaparecer. Chesterton menciona: (1) o Império Romano, (2) o tempo em que os exércitos islâmicos conquistaram o Oriente Médio e o Norte da África, (3) a Idade Média, quando o feudalismo desapareceu e o Renascimento emergiu, (4) o tempo em que os antigos regimes da Europa desapareceram e os tempos convulsivos das revoluções e, finalmente, (5) o século XIX, o século de Marx, Darwin, Nietzsche e Freud.

Cada crise era seguida por um tempo de renovação, um tempo de renascimento. Cada vez a fé parecia ir para os tubarões, mas cada vez eram os tubarões que não sobreviveram. De cada vez, o ressurgimento era totalmente inesperado. Mesmo agora, a Igreja parece estar chegando ao fim, mas poderia ser diferente. A ortodoxia tem sido geralmente a resposta que anuncia a recuperação. Claro que há sempre vozes que pedem para se adaptar aos tempos. A Igreja certamente deve fazê-lo, desde que não implique uma adaptação da fé. De qualquer forma, a solução não é baixar a fasquia, simplificar a fé.

Agradar ao mundo secular termina sempre na evaporação da fé. A Igreja sempre sobreviveu onde sua identidade permaneceu, através da reforma, purificação e revitalização. Talvez a implosão financeira esteja ajudando a voltar ao núcleo. Talvez a Igreja não esteja em tão mau estado. A Igreja não tem mais uma posição central no espectro do poder social. A Igreja não tem mais poder. Assim, se antes um pároco podia falar bem para conseguir um lugar num lar de idosos, esses dias já lá vão.

Poder também não é algo que devemos querer ter. O próprio Jesus foi muito claro: "Sabeis que os líderes mundanos mostram o seu poder, mas não deve ser assim entre vós". A Igreja foi empurrada para as margens da sociedade. Acho que isso é uma coisa boa. Em seu tempo, São Francisco, que viveu a pobreza evangélica até todas as suas consequências, fez florescer mais na Igreja do que qualquer prelado influente. Da mesma forma, em nosso tempo, o trabalho supremamente servil e altruísta de Madre Teresa e suas irmãs criou mais atenção e boa vontade para Cristo e sua Igreja do que toda a influência social que a Igreja teve nos anos de rico catolicismo romano.

A Igreja não precisa mais servir aos interesses do governo ou da maioria. Então você não precisa mais falar na boca de ninguém. Pode defender, em seu próprio caminho, em nome dos impotentes, dos marginalizados, dos deficientes, dos nascituros, de todos aqueles que não têm voz. A Igreja pode reabrir-se às palavras de Jesus: "Não deveis governar, mas servir". A Igreja não deve desempenhar o papel de rei, mas sim o de bobo da corte. Perdoamos o imperdoável, damos a cara aos sedentos de poder, mantemos as posições porque acreditamos nelas, custe o que custar. A Igreja poderá, mais uma vez, deixar claro o que está em jogo no final: a salvação das almas. Nada mais. Aproximará a Igreja do Evangelho. E isso é uma vitória. Portanto, há oportunidades de crescimento.

Alguns bispos e cardeais acusam outros de criar divisões dentro da Igreja ou de atacar o Papa por defender verdades elementares da fé ou por sempre expressar opiniões diferentes daquelas que o Papa diz ou faz. Informar o Papa que talvez ele tenha que cometer um erro que é quebrar a unidade?

R: Não são todos aqueles que defendem a verdade da fé ou expressam opiniões diferentes daquelas expressas pelo Papa que criam divisão. Permanecer em silêncio não contribui para a unidade da Igreja. A ambiguidade expressa nas mensagens do Vaticano cria confusão. Põe em risco a credibilidade da Igreja, fazendo com que as pessoas percam a fé e algumas deixem a Igreja desanimadas. São essas pessoas que devemos encorajar e exortar a nunca deixar a Igreja. (Fonte: INFOVATICANA)

Receba novos artigos em nossos canais.

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...