Dom Fischer adverte contra atribuir ao Espírito Santo tudo o que sai do sínodo: "É supersticioso fazê-lo"

23/10/2023

O arcebispo Anthony Fischer, de Sydney, Austrália, participante do Sínodo sobre Sydney, disse ser sábio ao alertar que é preciso tomar cuidado "para não atribuir tudo ao Espírito Santo". E advertiu que, se uma proposta está radicalmente em desacordo com o Evangelho e a Tradição, então "isso não é do Espírito Santo".

(CNA/InfoCatólica) "O Espírito Santo é o Espírito de Cristo. Ele é o Espírito do Pai e do Filho e, portanto, só vai dizer coisas que são consistentes com o que Cristo nos revelou na tradição apostólica", disse Fisher à CNA em entrevista em Roma.

Muita ênfase foi dada à escuta da voz do Espírito Santo durante a assembleia de outubro, com os delegados sinodais se reunindo quase diariamente em pequenos grupos para "conversas no Espírito", descritas no site do sínodo como "uma dinâmica de discernimento em uma Igreja sinodal".

O dominicano australiano explicou que se alguma proposta do sínodo está "radicalmente em desacordo" com o Evangelho e a tradição apostólica, "isso não é do Espírito Santo, porque não podemos ter Cristo e o Espírito Santo em guerra um com o outro".

"Temos que ter cuidado em atribuir tudo a ele. Nossas opiniões, interesses, lobistas e facções, e colocar tudo isso no Espírito Santo", disse Fisher.

O prelado explica como são as coisas para aqueles que acreditam que tudo na Igreja é perfeito graças ao Espírito Santo:

"Os católicos gostam de pensar que o Espírito Santo escolhe o Papa, que o Espírito Santo escolhe nossos bispos e sacerdotes, que o Espírito Santo faz isso e aquilo. E não há dúvida de que a mão de Deus, a providência de Deus, está presente em todas essas coisas importantes em nossa vida e na vida da Igreja. Mas também tivemos alguns papas terríveis na história. Tivemos alguns padres e bispos horríveis e coisas terríveis que aconteceram com as pessoas. O Espírito Santo estava ausente? Não, mas ele permitiu que essas coisas acontecessem."

"Então, não vamos colocar tudo no Espírito Santo que acontece no sínodo ou em qualquer outro lugar de nossas vidas. Acho que é realmente supersticioso fazer isso", acrescentou.

O desafio do sínodo é ouvir e perguntar o que Deus está dizendo a nós e à Igreja neste momento, explicou, acrescentando que a Igreja já forneceu "sinais" úteis quando se trata de discernir a vontade de Deus.

"Cristo nos deu tudo o que precisamos para nossa salvação, já revelado. Passamos de geração em geração, o Evangelho e os ensinamentos da Igreja", disse. Ele acrescentou

"Já temos todo um corpo de ensinamentos, de reflexões, de milhares e milhares de pessoas ao longo das gerações, guiadas pelo Espírito Santo em todos os tipos de questões, que estão ali para nos ajudar. O depósito da fé, como o chamamos, está aí para ser explorado.
Portanto, não somos deixados às nossas próprias ideias, ao nosso próprio pensamento, seja qual for o clima na assembleia sobre um determinado assunto. Na verdade, temos algo sólido para nos apoiarmos e testar nossos humores e intuições."

Debate sinodal sobre a ordenação de mulheres

O arcebispo de Sydney, de 62 anos, observou que houve "uma longa discussão sobre a ordenação de mulheres" na assembleia sinodal.

"Não acho que isso revele algo que as pessoas já não sabiam", acrescentou. "E há muita tensão e empolgação em torno de um tema como esse."

Ele disse que é difícil saber como a assembleia como um todo se sente sobre essa questão porque as pessoas ouvem um relatório de cada uma das 35 mesas da sala, mas "você não sabe se esse relatório está dizendo o que uma pessoa disse ou o que todas as 12 pessoas naquela mesa disseram".

"Então você não sabe se é o entusiasmo de uma ou duas pessoas em cada mesa ou um entusiasmo que é realmente compartilhado por quase toda a sala", disse ele.

O arcebispo Fisher disse à EWTN News que acredita que o sínodo pode ser uma oportunidade para falar sobre questões maiores na Igreja hoje, como quantos jovens dizem não ter religião alguma.

"É muito mais urgente, no final, muito mais grave do que fazer mudanças marginais sobre se 0,001% das mulheres poderiam ser diaconisas ou diaconisas leigas", disse ela.

"É trivial em comparação com a enorme perda de fé que está acontecendo, especialmente em gerações inteiras agora."

Ele acrescentou que, quando as pessoas perdem a fé, elas procuram significado em outros lugares, e "as pessoas vão a lugares muito destrutivos em busca de significado, esperança e felicidade".

"Para o bem deles, devemos ser muito mais ativos na evangelização de nossa cultura e, especialmente, de nossos jovens adultos", acrescentou.

"O que eu gostaria de ver emergir do sínodo seria um entusiasmo para trazer a fé de volta às pessoas que deveriam tê-la e que, por algum motivo, estão desconectadas", disse ele.

Sínodo distinto

Fisher, que é arcebispo de Sydney há quase uma década, observou que o Sínodo sobre a Sinodalidade é "bastante diferente" do Sínodo dos Bispos que ele participou anteriormente.

Ele descreveu todo o processo como "um experimento", acrescentando: "Ele levanta todos os tipos de questões teológicas muito sérias".

O Sínodo dos Bispos estabelecido por Paulo VI após o Concílio Vaticano II "pretendia ser uma expressão da colegialidade episcopal do colégio episcopal em conjunto", explicou, "como o grupo de apóstolos juntos (...) e, em particular, o seu ensino, o seu ensino em conjunto".

Já o Sínodo sobre a Sinodalidade é mais como "um híbrido" entre o Sínodo dos Bispos e outros tipos de encontros eclesiais e encontros com bispos, padres, religiosos e leigos.

"É um Sínodo dos Bispos e um encontro eclesial, tudo reunido em um só. E levanta questões. Então, qual é a sua natureza eclesial? Qual é a sua autoridade?... Você está tentando ser como a reunião dos apóstolos? Ou está tentando ser a reunião de todos os batizados? Acho que provavelmente precisamos pensar muito mais sobre o que tudo isso significa eclesiologicamente, canonicamente e na prática." (Fonte: InfoCatolica)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...