Declaração da SSPX sobre bênçãos para casais irregulares e do mesmo sexo

20/12/2023

Quem me ama observa – e faz observar – os Meus mandamentos.

A declaração Fiducia supplicans do Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé sobre a questão das bênçãos para "casais irregulares e casais do mesmo sexo" nos deixa consternados. Tanto mais que este documento foi assinado pelo Papa.

Embora se destine a evitar qualquer confusão entre a bênção de tais uniões ilegítimas e a do casamento entre um homem e uma mulher, esta declaração não evita nem confusão nem escândalo: não só ensina que um ministro da Igreja pode invocar a bênção de Deus sobre uniões pecaminosas, mas que, ao invocá-la, ele está de fato confirmando essas situações de pecado.

A invocação expressa nesta "bênção" consistiria simplesmente em pedir a essas pessoas, em um ambiente não litúrgico, que "tudo o que é verdadeiro, bom e humanamente válido em suas vidas e relacionamentos seja investido, curado e elevado pela presença do Espírito Santo«.

Mas fazer com que aqueles que vivem em uma união fundamentalmente falha acreditem que ela pode ser positiva e portadora de valor é o pior dos enganos e a mais grave falta de caridade para com essas almas rebeldes. É um erro imaginar que há algo de bom em uma situação de pecado público, e é um erro afirmar que Deus pode abençoar os casais que vivem nessa situação.

Sem dúvida, cada pessoa pode ser ajudada pela misericórdia preveniente de Deus e descobrir com confiança que é chamada à conversão para receber a salvação que Deus lhe oferece. A Igreja nunca nega uma bênção aos pecadores que legitimamente a pedem, mas então a bênção não tem outro propósito senão ajudar a alma a vencer o pecado e a viver em estado de graça.

Portanto, a Santa Igreja pode abençoar qualquer indivíduo, mesmo um pagão. Mas nunca pode, de forma alguma, abençoar uma união que é em si mesma pecaminosa, sob o pretexto de encorajar o que nela há de bom. Quando abençoamos um casal, não estamos abençoando indivíduos isolados: estamos necessariamente abençoando a relação que os une, não podemos redimir uma realidade que é intrinsecamente má e escandalosa.

Incentivar pastoralmente esse tipo de bênção leva, na prática, inexoravelmente à aceitação sistemática de situações incompatíveis com a lei moral, não importa o que seja dito.

Infelizmente, isso coincide com as declarações do Papa Francisco, que define como "superficial e ingênua" a atitude daqueles que forçam as pessoas a "comportamentos para os quais ainda não estão maduras, ou das quais não são capazes» [1].

Esse tipo de pensamento, que não crê mais no poder da graça e dispensa a cruz, não ajuda ninguém a escapar do pecado. Substitui o verdadeiro perdão e a verdadeira misericórdia por uma anistia tristemente impotente. E só acelera a perda de almas e a destruição da moral católica.

Toda a linguagem complicada e o disfarce sofístico do documento do Dicastério para a Doutrina da Fé não podem esconder a realidade elementar e óbvia dessas bênçãos: eles não farão nada além de confirmar essas uniões em sua situação intrinsecamente pecaminosa e encorajar outros a segui-las. Nada mais será do que um substituto para o casamento católico. De fato, demonstra uma profunda falta de fé no sobrenatural, na graça de Deus e no poder da cruz para viver em virtude, pureza e caridade, de acordo com a vontade de Deus.

É um espírito naturalista e derrotista que covardemente se alinha com o espírito do mundo, inimigo de Deus. É uma nova entrega e submissão ao mundo por parte da hierarquia liberal e modernista, que desde o Concílio Vaticano II está a serviço da Revolução dentro e fora da Igreja.

Que a Bem-Aventurada Virgem Maria, guardiã da fé e da santidade, venha em auxílio da Santa Igreja. Acima de tudo, protege os mais expostos a esse caos: as crianças, que agora são forçadas a crescer em uma nova Babilônia, sem pontos de referência ou guias para lembrá-las da lei moral. P. Davide Pagliarani, Superior Geral  (Fonte: Adelante La Fe) Compartilhe e deixe seu comentário.

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...