De Prometeu a Titã

26/07/2023
(Foto Reprodução Internet)
(Foto Reprodução Internet)

Usarei um pouco da mitologia grega para iluminar este artigo, e usaremos um personagem mitológico que, buscando iluminar, bastante escureceu. Sabe-se que o Titã Prometeu roubou o fogo do Monte Olimpo para dá-lo aos homens, e ao mesmo tempo em que se insinuava com eles ganhou a ira de Zeus, que, entre outras cóleras, enviou Pandora, que, por curiosidade, abriu o dotado ânfora Cheia de infortúnios, ela os espalhou entre os mortais. Prometeu representa a rebelião, o homem cheio de si, o espírito arrogante, a inobservância da divindade, a razão que se diz autossuficiente sem necessidade de transcendência. Prometeu representa uma suposta luz humana que rejeita a luz de cima. 

Por Tomás I. González Pondal 

A rebelião prometeica não só não desapareceu, como hoje é amplamente consagrada. A implosão catastrófica do mini submarino chamado Titan é muito significativa para mim a fim de provar a dita consagração. Todos já conhecem os acontecimentos: alguns aventureiros entraram alguns milhares de metros em águas oceânicas em busca do Titanic afundado; a aventura custou a cada tripulante mais de duzentos mil dólares; a pequena viagem em direção à escuridão marítima durou cerca de dez horas; eles tinham que viajar sentados e era possível ver por uma única janela. Como já foi dito, a imersão extremamente arriscada pretendia encantar os olhos dos passageiros excêntricos em alguns pedaços de ferro enferrujados. E a excentricidade custou a cada viajante mais do que papéis, custou-lhes a vida.

O que Titã significou para mim?: A grande rebelião moderna. Uma rebelião que entra alegremente nas trevas sob o manto da luz. Uma rebeldia que desce mas que finge estar com aquele ascendente. A preocupação com o insignificante e o abandono das coisas importantes. O desperdício desnecessário do qual praticamente nada se fala, claro, trata-se de "contribuições" para a "ciência moderna" e para o "bem do planeta". O deleite pelo reino do que não possui luz. O reino do irracional, do que carece de bom senso, do escuro.

O atual desejo pelo escuro não parece por acaso: alguns investem vultosas somas na tentativa de viajar pelo imenso espaço sideral; outros, como no caso de Titã, fazem gastos colossais para se deslocar pelas profundezas desconhecidas do oceano. Alguns, com essas despesas, perseguem em suas fantasias o encontro com outras vidas, negligenciando selvagemente o próximo ao seu lado; Os outros, com essas despesas, arriscam a vida para ir ver um junco enferrujado chamado Titanic, nada diferente daquele que se poderia encontrar calmamente na banheira de sua casa, caso não tivesse resgatado o barquinho com o qual não tinha afundado. a criança brincou, e tirou a tampa por tempo suficiente para dar ferrugem. Outros mergulham nas trevas da astrologia e de outras práticas ocultas, como a mediunidade, o tarot, o Ouija ou o jogo da taça. A pessoa vê um deleite em vagar nos reinos da escuridão.

 Vários meios de comunicação após a implosão do pequeno e frágil Titã falaram em "maldição". Algo como dizer que se alguém morre queimado ao se aproximar da lava de um vulcão, foi tudo por causa de uma maldição; ou que se alguém morre ao cair no asfalto após pular do décimo andar, também foi obra da "maldição". Vamos. Deixemos as bobagens de lado: essas mortes são obras de imprudência, loucura, loucura, fanfarronice, mas não qualquer "maldição".

A fatídica viagem dos cinco bilionários que embarcaram no Titan em busca do náufrago Titanic (Titanic), em moeda argentina, soma mais de quinhentos milhões de pesos (US$ 500 milhões). Aí está a loucura expressa em números. Somente sob uma influência muito poderosa de imbecilidade alguém arriscará sua vida desperdiçando uma cifra hipermilionária, e tudo para espiar por um buraco talvez algo maior que seu próprio rosto, algum ferro dobrado e material corroído. Não me oponho ao gasto pesado do rico que compra um anel caríssimo para a amada e assim lhe rouba um sorriso: de alguma forma ele aposta na vida; Oponho-me veementemente ao gasto pesado do rico que compra algo caríssimo semelhante a um bilhete para roubar a frieza de um metal: de forma muito precisa, ele aposta na morte. O jovem normal não tem um jogo de futebol no topo do Everest com o objetivo de aparecer na imprensa mundial: ele só está interessado em se divertir com os amigos, e isso é muito saudável. Só o incipiente jovem excêntrico pensaria em mergulhar nas perigosas profundezas do mar para acomodar algumas cores para que o mundo ficasse sabendo da façanha: "Em conversa com a BBC, a mãe de Suleman Dawood (19), um jovem que morreu na implosão do Titã, disse que seu filho se inscreveu no Guinness Record para ser a primeira pessoa a montar um cubo de Rubik a 3.700 metros sob o mar ». Eles afundam nas profundezas porque, paradoxalmente, vivem na superfície.

Só há um oceano no qual quanto mais o homem se submerge, mais maravilhas e luz encontrará, e esse oceano é o Sagrado Coração de Jesus. Ali, suas profundezas são multidirecionais, e em todas essas direções pode-se encontrar, brilhando, a grande nave da Igreja Católica, uma nave indestrutível. Cristo, a Luz que veio ao mundo, é quem salva também o homem de perecer nas profundezas do mar: estende-lhe a mão, como fez com Pedro que se afundava nas águas. As águas representam o mundo. El Salvador é quem então nos faz caminhar sobre as águas com a força da fé, evitando que pereçamos. É na modernidade que se vê com muito bons olhos rejeitar a mão amorosíssima de Cristo, para se afundar nas profundezas em busca da irracionalidade.

 Com certeza o Prometeu chegado em 2023 vai ficar muito zangado comigo, não porque me ocorre roubar o fogo que ele roubou, mas porque pretendo com mais um pouco extinguir o fogo que ele acendeu. (Fonte Adelante La Fe)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...