Conheça o livro Obras Completas de Santa Teresa de Jesus

28/03/2023

Santa Teresa de Jesus, também conhecida como Santa Teresa de Ávila, ao lado de São João da Cruz, foram os grandes reformadores dos conventos carmelitas da Espanha, justamente quando no resto da Europa espalhava-se a pestilenta reforma protestante.

Assim, esses dois santos são conhecidos como santos da contra reforma. Vieram com suas vidas e obras trazer um certo equilíbrio e reavivar o catolicismo no momento em que este mais necessitava. Não fosse pelo empenho desses santos e ainda outros da mesma época, o estrago causado pelo protestantismo do herege Lutero teria sido ainda maior.

Santa Teresa nasce em 28 de março de 1515 batizada em 4 de abril com o nome de Teresa de Ahumada na cidade de Ávila.

Era de uma família grande, com 9 meninos e 3 meninas. Seus pais eram muito católicos e seu pai em especial, muito fervoroso e corretíssimo em tudo.

Na infância Teresa brincava sempre de convento, de freiras quase sempre com os temas religiosos da época. Mas não queria ser freira. Já na adolescência seus modos mudaram um pouco, pois passou a ter a influência de muitos primos e também das leituras românticas das quais sua mãe era adepta.

Em novembro de 1536 toma o hábito no convento da Encarnação e em 3 de novembro de 1537 professa como carmelita.

No convento da Encarnação, as freiras, que eram muitas, levavam uma vida quase livre. Recebiam visitas, podiam sair e até mesmo passar dias em casas de parentes. De início Teresa não se importava muito com isto. A santa levou uma vida igual as outras durante muitos anos.

Neste período, em 1538, sai do convento para a casa de seu pai para ser cuidada de grande enfermidade. Em 1539, ainda na casa de seu pai sofre um colapso e passa quatro dias como morta. As freiras chegaram mesmo a cavar sua tumba, mas o pai não deixou que a levassem e no quarto dia ela voltou de um coma assustador e pouco tempo depois regressou ao convento.

Mas na quaresma de 1554 acontece sua conversão verdadeira diante de um quadro que tinha Jesus flagelado, a santa começou sua reflexão sobre os erros que se cometiam naquele convento. Aos poucos sua vida espiritual foi mudando e Deus modificando-a conforme seus desígnios. Até que depois de muitos anos chegou a verdadeiros êxtases onde vivia entre o céu e a terra.

Na época de Santa Teresa, os conventos carmelitas seguiam a chamada regra Mitigada que tinha sido aprovada para as carmelitas. E isto permitia todos aqueles desmandos vistos no convento da Encarnação. A santa, depois de sua mudança espiritual não suportava mais aquela vida de desleixo visto no convento e queria seguir a regra das antigas carmelitas descalças. Daí nasce todo o movimento da santa em busca de uma prática mais de acordo com os ensinamentos de Jesus.

Foram muitas as lutas diante de não ser possível aplicar a regra antiga no convento da Encarnação.

Mas em 1562 finalmente a santa consegue a fundação do convento de São José, o primeiro das carmelitas descaças em que a Teresa passa a ser a priora e segue fundando vários outros conventos iguais por quase toda a Espanha até sua morte em Alba de Tormes em 1582.

Suas viagens que ocorreram já nos últimos 20 anos de sua vida, não foram nada fáceis. Sempre doente, andava grandes distâncias de uma cidade para outra em carroça de rodas de ferro e sem molas, por estradas esburacadas, com calor, poeira e outras vezes com muita chuva e neve.

Se a obra de Santa Teresa tivesse sido apenas as fundações dos conventos já teria valido a pena, pois milhares de jovens mulheres e depois também homens, foram tirados do mundo atraídos por uma vida totalmente voltada para Deus em conventos de extrema simplicidade e pobreza.

Em meio a tudo isso, por imposição de seus confessores, Teresa vai escrevendo sua vasta obra espiritual.

Suas três obras principais são:

Livro da vida: Com quase 400 páginas, é onde a Santa narra sua história desde a infância até praticamente seus últimos dias. Narra, além das dificuldades para lançar suas ideias de um Carmelo mais rigoroso e voltado para a santidade, a fundação dos conventos e suas visões místicas. É um dos livros mais belos e apaixonantes que um católico pode ter o privilégio de ler. Uma obra magnífica, que quem começa a ler não quer parar mais e quanto termina já se fica com saudades de tudo que foi dito e explicado pela Santa. É uma das obras mais importantes de todos os tempo. Está ao lado das "Confissões" de Santo Agostinho e de muitos outros santos.

Caminho de perfeição: É um livro onde a Santa descreve seu caminho espiritual aconselhando suas irmãs a seguir esse mesmo caminho. É uma obra igualmente belíssima e de grande valor. Suas palavras escritas numa época em que a Europa fervilhava com a reforma protestante, são água fria no fogo da reforma que a muitos destruía com heresias nunca antes vistas. Sua docilidade e a busca da perfeição são remédio para todos os tempos e exemplo para todas as almas.

Castelo Interior ou Moradas: Uma das maiores obras primas de espiritualidade de todos os tempos. Também a pedido de seus superiores e dirigido às irmãs do Convento de São José, o qual a Santa havia fundado e onde morava na ocasião, é um livro que já em sua época ultrapassou todas as fronteiras. Seus ensinamentos para as irmãs na verdade são para todas as almas. A Santa traça um itinerário imaginando alguém que está fora de um castelo e sua caminhada até o interior do mesmo, onde se encontra Jesus ou o Senhor do castelo. É nosso caminho, estando fora de nosso interior, preso às coisas do mundo até chegarmos a sala do trono do castelo, que é o mais íntimo de nossa alma, onde está o Senhor Jesus.

A Santa descreve essa caminhada como moradas, das quais vamos passando de uma para outra em nossa caminhada. É um verdadeiro manual de conduta e lutas da alma para alcançar a perfeição e portanto encontrar a Deus.

O lançamento das mais recentes Obras Completas da santa, pela Editora Loyola, abarca as três obras já referidas que são as mais conhecidas do público, e também as seguintes obras:

As fundações

As relações

Conceitos do amor de Deus

Exclamações da alma a Deus

Constituições

Modo de visitar os conventos

Certame

Resposta a um desafio

Poesias

Cartas (446 cartas)

Alguns desses escritos são livros completos. Outros, pequenos textos. Ao todo o livro tem 1223 páginas num formato de 17 x 24 cm.

Além das muitas notas, o livro possui um índice analítico que facilita muito a consulta da obra. É um livro não só para o grande público como também para estudiosos, pois é o mais completo que se pode encontrar em língua portuguesa no momento. Talvez a única dificuldade que o livro apresente seja o tamanho das letras que não podiam ser grandes em um livro com tantos textos. Outro fator que torna o livro interessante é que os escritos de Santa Teresa forma escritos para suas irmãs conventuais. Assim, os textos puderam ser conservados intactos através dos séculos, passando para as mãos dos leitores atuais uma verdadeira joia espiritual e literária.

Passados quarenta anos após sua morte, em 1622, Teresa de Ávila foi canonizada pelo papa Gregório XV. E em 27 de setembro de 1970 o papa Paulo VI proclamou-a Doutora da Igreja. Para se ter uma ideia de sua importância, cabe lembrar que há apenas quatro mulheres proclamadas Doutoras da Igreja. (Redação "Vida e Fé Católica")

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...

Um padre me disse que depois do Concílio essas coisas, água benta e assim por diante, não fazem sentido.
Dizei-lhe que leia a Constituição Sacrosanctum Concilium (60-61) do Vaticano II e que nos explique como o Concílio, que louva os sacramentais, pode ser desprezado e desaparecido.