Comungar de joelhos

24/01/2024

Em um mundo devastado pelo relativismo moral, enquanto os sinos parecem tocar anunciando a aproximação do fim dos tempos, não é surpreendente que a Igreja Católica, o corpo místico de Jesus Cristo, também naufrage e esteja perto de afundar no meio da tempestade. Bergoglio não só nos confunde com seu estilo peculiar; também muitos pastores, encarregados de alimentar o rebanho de Cristo, mostram descaradamente suas mandíbulas de lobos famintos.

Por Rafael Nieto 

Não sabemos o futuro de tudo o que foi acordado no polêmico e escandaloso "sínodo da sinodalidade" alemão (uma sucessão de heresias calculadamente consentidas a partir de Roma, pelo menos até hoje), mas o que sabemos é que somente os católicos conscientes do pecado (e que, naturalmente, são minoria) poderão salvar a Igreja e impedir que ela se torne uma grande "ONG progressista". sem vínculo mais transcendente do que aquele que Pachamama poderia lhe dar.

E, curiosamente, somente aqueles de nós que têm consciência de que o pecado existe, e que todos somos pecadores, poderão lutar contra ele e confessar-se diante de um sacerdote para estar na graça de Deus. Portanto, somos nós, essa pequena minoria de pessoas conscientes do pecado, que podemos dar graças ativamente pela obra redentora que Nosso Senhor realizou na Cruz, dando ao mundo um exemplo visível de coerência com a Verdadeira Fé.

Uma maneira incomparável de dar testemunho público de nossa Fé, e dignificar nossa presença no sacrifício incruento que Jesus nos deu com a Santa Missa, é receber a Comunhão da maneira correta. É muito triste e constrangedor ver como a grande maioria dos católicos hoje se aproxima do altar, no momento da Comunhão, como se estivesse se aproximando de um quiosque de rua para receber um aperitivo gratuito. E, honestamente, não quero com essas palavras fazer uma crítica ofensiva a ninguém, mas qualquer um pode verificar pessoalmente que o que eu digo é verdade.

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que só se pode receber a Comunhão quando se está na Graça de Deus, isto é, tendo confessado recentemente seus pecados a um sacerdote. Qualquer "comunhão" recebida sem estar em graça é realmente um sacrilégio contra Nosso Senhor, que se ofende gravemente com este ato ignóbil. Em segundo lugar, e embora a Igreja permita outras formas, a maneira adequada e solene de receber a Forma Sagrada é nos joelhos e na boca, a menos que haja um problema físico que nos impeça de fazê-lo (por exemplo, em idosos, deficientes, etc.). Isso é muito mais importante do que a maioria dos católicos costuma dar.

Se realmente cremos que Cristo está presente na Eucaristia desde a Consagração, a única maneira lógica de recebê-lo é, como digo, de joelhos. Além disso, apenas as mãos de uma pessoa consagrada devem tocar a Sagrada Forma, por isso deve ser recebida na boca, diretamente da mão do sacerdote. É assim que a Tradição da Igreja Católica sempre a observou, e por isso também nós devemos preservar, para que permaneça viva no património espiritual das gerações futuras.

A partir dessas linhas modestas, e com o único desejo de cumprir a obrigação de correção fraterna, convido os católicos que leem este artigo a começar a receber a Comunhão desta maneira. Que pensem apenas em Nosso Senhor, que deu a sua vida por nós. Que Ele realmente pede muito pouco de nós, a dignidade de mostrar que O amamos mais do que qualquer outra pessoa e que somos felizes por sermos Seus filhos. Quão pouco nos custa apresentarmo-nos diante de Sua Gloriosa Majestade para dizer-Lhe que estamos aos Seus pés para tudo o que Ele quer que façamos; e que a nossa vida é Dele, porque Ele nos deu.

A comunhão é sempre recebida na graça de Deus, nos joelhos e na boca, amigos. É nesse momento que começamos a ser dignos de pertencer ao Reino de Deus. (Fonte: El Español Digital)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...