Católico ignorante, futuro protestante

13/05/2023

"Católico ignorante, futuro protestante", dizia-se. De forma mais elegante, o decreto Perfectae Caritatis do Concílio Vaticano II advertia que a sobrevivência dos institutos de vida religiosa dependia da formação de seus membros.

Podemos estender a segunda afirmação a todos os batizados porque, afinal, o que emerge de ambas as frases é a necessidade de formação dos católicos para uma vida de fé plena, consciente e profunda. Se tivermos também em conta que, na vida de fé, quem não avança, retrocede, é necessário colocar a máxima vontade e pedir a graça para que, no meio da agitação do nosso quotidiano, vidas, podemos ter tempo de qualidade para estar com o Senhor, seja em silêncio, ruminando a sua Palavra, rezando o Terço com Maria, rezando o Ofício Divino, assistindo à celebração da Eucaristia e lendo, para nos formarmos na sã doutrina. Porque, sem Ele, nada podemos fazer (Jo 15, 5).

Naturalmente, o parágrafo anterior levanta múltiplas objeções sobre o tempo dedicado diariamente aos afazeres e responsabilidades laborais e familiares. Mas é que, paradoxalmente, também acontece no mosteiro que há tantas atividades diárias de oração e devoção que dificilmente é possível concentrar-se nelas em oração profunda. Passei um ano e meio num mosteiro de uma antiga ordem contemplativa com um carisma maravilhoso e quase irreconhecível, numa comunidade envelhecida e com algumas vocações "transplantadas" da Índia. Quarenta e cinco minutos por dia para a lectio divina, outros tantos para a oração pessoal, rosário, missa e todas as horas do ofício divino; além do atendimento aos hóspedes em uma hospedaria monástica com 24 quartos e salas para grupos, em Barcelona. As poucas irmãs que tinham condições de saúde e capacidade de se comunicar com os visitantes carregavam uma enorme tarefa, e oração, quando podiam. Melhor nem falarmos em formação, tanto inicial como contínua.

Depois dessa experiência, foi um longo caminho aqui neste santuário rural e solitário para encontrar um ritmo de trabalho, estudo e oração de acordo com as necessidades de pessoas que conscientemente consagram suas vidas a Deus sendo o primeiro e o centro delas. , em que vivemos como resposta à vocação recebida.

Levando isso em consideração, vale dizer que este jornal não pretende fazer afirmações categóricas, mas apenas falar da minha experiência pessoal. Amo institutos como as Agostinianas de Conversão, as Servas do Lar da Mãe e o IVE. Eles são manifestações do Espírito Santo para os nossos tempos e estão cheios de força fundamental e vital. Em todos eles, a oração, a formação e o apostolado são indiscutíveis. Mas nossa situação é bem diferente. Pobre, não só materialmente, e escondido, mas, a meu ver, cheio de Deus, bem ao estilo de Oséias: "mas vou seduzi-la. Eu a levarei ao deserto e falarei ao seu coração (Os 2, 14-20)". Depende de mim, e também da Sua graça, "amá-lo como na minha juventude", como continua a dizer o profeta.

Imagino então, se para nós desta pequena comunidade em que não dedicamos mais de 4 horas diárias ao trabalho braçal ficar claro que a relação com Deus na oração vem em primeiro lugar e que a formação na fé é essencial, as objeções que podem habituar-se a um estilo de vida com esta exigência de horas de oração e formação no meio do mundo, e mais para os pais, além de jornadas de trabalho de 8 horas e tempo considerável no deslocamento do trabalho para casa, deixando e pegando crianças em idade escolar e suas atividades extracurriculares, etc. É louvável como tantas pessoas conseguem, numa luta impiedosa, incorporar a oração no seu ritmo diário, seja a sós ou em família: a primeira oração da manhã, a bênção da mesa, a reza do terço no caminho para a escola ou o trabalhar, assistir à missa se você mora em uma cidade grande e pode escolher um templo e horário conveniente, ler livros que formam a alma e exame de consciência antes de dormir. É certo. E é louvável, sim. Mas para aqueles que não o veem como possível devido às suas exigências, aqui, como em tudo, embora possa parecer impossível ou impensável à primeira vista, penso que se trata de estabelecer as nossas prioridades vitais.

Acho que esse é um tema que pode dar mais. Pelo menos, eu continuaria falando sobre isso com prazer... Então, queridos leitores, eu agradeceria se você investisse alguns minutos nos comentários para deixar sua opinião sobre isso: continuamos com esse assunto no dia seguinte ou refletimos sobre outros aspectos da vida em um santuário? Mariano da Catalunha rural? (Fonte INFOVATICANA)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...