Cardeal Sarah: “Qualquer rejeição e exclusão do irmão acusado de tradicionalismo é obra do Diabo”

13/04/2023

O cardeal guineense, Robert Sarah, acaba de publicar um novo livro no qual homenageia a figura de Bento XVI. O cardeal insiste na herança do Papa alemão no campo litúrgico e denuncia manobras dentro da Cúria Romana.

O livro de 250 páginas reúne meditações do prefeito emérito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos sobre o que ele descreve como seu "mestre espiritual" e dez textos do pontífice 265. O prefácio e um ensaio de 40 páginas, intitulado Retrato Místico de Bento XVI, são as únicas contribuições inéditas.

Nos trechos do livro recolhidos pelo Cath.ch, Sarah afirma sobre Bento XVI que ele era um homem "feliz de uma alegria celestial" com um "olhar luminoso". Ele também se lembra de "sua voz suave, tremendo diante do mistério" da existência de Deus. Ele também presta homenagem à sua "paternidade", exercida como sacerdote, cardeal e depois papa, autoridade afetuosa vivida segundo ele "na discrição" por sua "extrema modéstia".

O purpurado sublinha que o Papa alemão «não multiplicou as nomeações cardeais para influenciar um futuro conclave que, no entanto, sabia estar próximo» e não «dispensou os seus adversários». Uma manifestação, segundo ele, de sua "vontade mística de entrar no exercício paternal do poder", que serviria de exemplo "numa época em que a Igreja parece obcecada consigo mesma, com suas estruturas, com seu futuro, com seus preocupação em se adaptar ao mundo ocidental.

Por outro lado, Sarah convida a meditar sobre o seu exemplo num momento em que, "sob o pretexto de uma Igreja inclusiva e sinodal", chegamos a "silenciar a verdade" e excluir pessoas da Igreja "em nome do consenso". . "Qualquer rejeição e exclusão do irmão rotulado como tradicionalista é obra do Diabo", insiste.

O cardeal Sarah, porém, não ataca o Papa reinante – a quem o livro é dedicado e que, segundo ele, encoraja um "bom pai" a uma "atitude benevolente" – mas sim "certos membros da Cúria". Ele compara estes últimos a "lobos" que "espreitam" em torno do Papa, alegando que tramam para "impedir que os bispos" adotem uma atitude conciliatória com as comunidades tradicionalistas. (Fonte INFOVATICANA)


Comentário de "Vida e Fé Católica" sobre este tema:

Infelizmente estamos numa caminhada de divisão da Igreja por culpa de uma cúria progressista que deseja implantar inúmeras modificações que agradem mais ao homem moderno e não a Deus. (Os dois artigos aqui abaixo e vários outros que já publicamos dá uma ideia do que se trata.) Por outro lado, há entre bispos, padres e fieis também os chamados tradicionalistas. São aqueles que desejam uma igreja como sempre foi através dos séculos seguindo as ordens de Nosso Senhor Jesus Cristo, o exemplo dos santos que nunca reclamaram contra a Igreja e os verdadeiros papas que através dos séculos souberam manter intacta a tradição e o magistério baseados nas Sagradas Escrituras. 

Esses progressistas, querendo agradar o mundo e aos bilionários que desejam uma igreja única para a vinda do anticristo, querem a todo custo afastar ou derrubar os tradicionalistas através de perseguição implacável que vem realizando nos últimos anos.

 Progressistas querem uma igreja única, juntando evangélicos, judeus, maometanos, budistas e tudo mais. Para isto eles tem que eliminar tudo que desagrada estas, como os santos, Nossa Senhora, a Eucaristia e até mesmo Jesus. E claro, os tradicionalistas, fieis herdeiros da verdadeira Igreja não podem aceitar isto. Entretanto, aparentemente eles vão vencer. No final, ficará apenas um pequeno rebanho, normalmente escondido, mas que triunfará com a ajuda de Jesus. (Compartilhe)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...