Cardeal Müller: "Um sacerdote de Cristo não pode abençoar um pecado contra a natureza humana"

22/01/2024

Abaixo está a homilia do cardeal Müller por ocasião da festa de Santa Inês da Agonia, cujo título de cardeal é mantido pelo cardeal alemão.

Homilia do Cardeal Müller:

A crítica ao politeísmo antigo por judeus e cristãos não é de forma alguma que os pagãos voltaram seu olhar para um poder superior, mas que eles adoravam as criaturas como divindades em vez do único Deus verdadeiro, embora cada ser humano seja capaz de reconhecer a existência de Deus e seu poder eterno a partir das obras da criação com base em sua razão. No entanto, a maioria das pessoas foi seduzida pelo glamour do mundo, riqueza, poder e fama. Paulo resume a tragédia ocorrida no início de sua carta aos Romanos: "Trocaram a verdade de Deus por uma mentira, adoraram a criatura e a honraram em vez do Criador" (Rm 1,25).

Num mundo niilista em que prevalece o lema: "Comamos e bebamos, porque amanhã estaremos mortos" (1 Cor 15, 32), o ideal de vida ascética e abnegada dos cristãos deve parecer um pano vermelho sobre o qual um touro nu de gozo ataca a vida com fúria selvagem. O que no mundo antigo era adoração a ídolos, hoje é o culto à personalidade dos ricos, dos belos e dos poderosos. Mas mesmo para os oligarcas frívolos da Nova Ordem Mundial e as elites arrogantes da Agenda 2030, a mesma verdade é verdadeira: que a glória do mundo passará e todos os homens devem morrer um dia. E mesmo que suas atrocidades tenham sido silenciadas pela grande imprensa e permaneçam desconhecidas para nós, elas não podem permanecer assim diante de Deus e não serão capazes de escapar do julgamento inexorável da verdade de Deus.

"Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna por meio de Cristo Jesus, nosso Senhor." (Romanos 6:23). Se esta palavra da Sagrada Escritura é verdadeira, a conclusão é esta: um sacerdote de Cristo não pode abençoar um pecado contra a natureza humana em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Certamente: Deus ama a todos, mas não a tudo. É por isso que não nos cabe interpretar o amor divino, mas o próprio Deus revela o seu amor ao pecador como o único caminho para a redenção: "Embora eu viva", diz o Senhor Deus, "não gosto da morte dos ímpios, mas deixo que os ímpios se afastem de sua iniquidade e vivam. Arrependei-vos dos vossos maus caminhos". (Ez 33:11)

Santa Inês, que hoje veneramos, foi uma mártir cristã nos estágios finais da perseguição aos cristãos no Império Romano. Esta virgem mártir representa o ideal de uma nova vida em Cristo Nosso Senhor e Redentor. Católicos de todo o mundo admiram a menina romana de 12 anos por seu heroísmo e a veneram como santa e defensora de nossa juventude cristã. Sobre a morte dedicada a Deus de Santa Inês, o grande Padre da Igreja, Santo Ambrósio de Milão, diz: "Para que no único sacrifício haja um duplo martírio, o da virgindade e o do culto: ela permaneceu virgem e recebeu a coroa do martírio". (De virginitate II, 9).

A verdadeira adoração a Deus e a verdadeira castidade da mente e do corpo dependem uma da outra. A adoração de ídolos como sexo, dinheiro e poder tem, como explica o apóstolo Paulo, uma consequência autodestrutiva para nossos pensamentos e comportamentos, que deve terminar em morte moral e espiritual:

"Por isso Deus os abandonou a paixões vis; Suas mulheres transformaram relacionamentos naturais em relacionamentos não naturais. Da mesma forma, os homens também, abandonando sua relação natural com as mulheres, inflamaram-se de paixão uns pelos outros, cometendo atos ignominiosos, homens com homens, recebendo assim em si o castigo próprio de sua aberração. E porque desprezaram o conhecimento de Deus, Deus os deixou à mercê de uma inteligência depravada, para que cometam o que é indigno, cheios como estão de toda espécie de injustiça, maldade, avareza, malícia; cheio de inveja, assassinato, rivalidade, fraude, malícia; caluniadores, caluniadores, inimigos de Deus, ultrajantes, orgulhosos, arrogantes, engenhosos no mal, rebeldes contra os pais, tolos, desleais, sem coração, sem piedade. E embora conheçam o juízo de Deus, isto é, os autores de tais coisas merecem a morte, não só continuam a fazê-las, mas também aprovam aqueles que as fazem" (Rm 1, 26-32). Esta é a existência sem sentido dos ímpios sob o domínio dos ídolos deste mundo.

A castidade como virtude cristã, que surge do culto ao único Deus verdadeiro como Criador e Aperfeiçoador de nossas vidas, expressa o reconhecimento do significado positivo da fisicalidade em geral e da sexualidade masculina e feminina em particular. De fato, Deus criou os seres humanos como homens e mulheres. Eles foram abençoados em Cristo com todas as bênçãos de Seu Espírito, para que manifestem seu amor uns aos outros e para que possam transmitir a vida no amor mútuo de pais e filhos na sucessão de gerações. Desta forma, os cônjuges e os pais participam da vontade universal de Deus para a salvação.

O fato de a ideologia de gênero ateísta perturbar os jovens púberes em sua identidade masculina ou feminina, enganando-os e seduzindo-os a ponto de mutilar seus corpos, pagando muito dinheiro, é prova da misantropia do novo paganismo. Não é preciso muita inteligência para entender a propaganda maléfica quando esses crimes são eufemisticamente velados com a frase sobre a livre escolha de gênero.

Na realidade, o ser humano é uma unidade natural de alma e corpo. Ao aceitar com alegria o sim irredutível que o Criador disse à minha existência no espaço e no tempo, também posso aceitar-me. Eu sou uma criatura de Deus, de fato, somos todos filhos e filhas do Pai, somos irmãos do Filho unigênito de Deus Jesus Cristo, e somos amigos do Espírito Santo.

A moral cristã e, em particular, o sexto e nono mandamentos "Não cometam atos impuros" nada têm a ver com o treinamento do animal selvagem dentro de nós ou com nossos instintos disciplinados pela razão pragmática, como pensava Kant. Todos os mandamentos que se referem ao relacionamento do homem consigo mesmo e com seus semelhantes centram-se no amor de pessoa para pessoa.

O amor torna o ser humano perfeito, quer viva voluntariamente segundo o seu carisma no celibato para o Reino dos Céus, seja segundo a vocação divina no matrimónio. "Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação, que vos abstenhais da imodéstia, que cada um saiba manter o seu próprio corpo com santidade e respeito, não como objeto de paixão e luxúria, como os pagãos que não conhecem a Deus; Que ninguém ofenda e engane seu irmão neste assunto, pois o Senhor é o vingador de todas essas coisas, como já lhe dissemos e testificamos. Deus não nos chamou à impureza, mas à santificação" (1 Ts 4:3-7).

Santa Inês ajuda-nos a distinguir a verdade de Deus das mentiras do novo paganismo. Em particular, confiamos as crianças e os jovens adolescentes à sua intercessão para que descubram o sentido profundo da humanidade tocada e transformada pela graça e luz do Evangelho, e para que, vivendo plenamente a dimensão da fé, se tornem testemunhas das realidades eternas, do tesouro incorruptível do Reino dos Céus. Santa Inês rogai por nós! Amém. (Fonte: INFOVATICANA)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...