Bispo holandês: o episcopado alemão faz dos "sinais dos tempos" uma fonte da Revelação

05/04/2023

O bispo auxiliar de Bolduque, na Holanda, Robert Mutsaerts, criticou as conclusões do 'caminho sinodal' alemão, acusando-o de enganar os fiéis e de transformar o 'Zeitgeist' em fonte de Revelação.

Por Carlos Esteban

Mutsaerts é um velho conhecido destas páginas, pelo menos desde que renunciou à participação no Sínodo da Amazônia por escrúpulos doutrinários. Desde então, ele não parou de atacar as correntes de 'renovação' na Igreja a partir de seu blog pessoal.

O último foi um discurso vigoroso contra o caminho para o cisma que os bispos alemães estão trilhando alegremente, que ele chama de "engano intencional".

"Aqueles que desejam ser fiéis ao Concílio Vaticano não podem professar ao mesmo tempo o conteúdo do Caminho Sinodal: são proposições mutuamente exclusivas", escreve em seu blog.

Para Mutsaerts, o Caminho Sinodal seguido pela Igreja Católica Alemã "afirma ser baseado no Concílio Vaticano II", porém, um olhar mais atento aos textos do Caminho Sinodal prova o contrário.

"Por exemplo, o documento 'O Celibato dos Sacerdotes' afirma: 'Uma superioridade do modo de vida celibatário não pode mais ser defendida com responsabilidade desde o Concílio Vaticano II."

"Isso é verdade?", ele se pergunta. "Não. De fato, o Concílio diz exatamente o contrário, que os candidatos ao sacerdócio devem "reconhecer, porém, a excelência da virgindade consagrada a Cristo" (Optatam Totius 10).

"É um deslize lamentável? De maneira nenhuma", continua o bispo. "Por exemplo, o texto básico 'A Existência Sacerdotal Hoje' afirma: 'Não é por acaso que o Decreto Sacerdotal do Vaticano II usa consistentemente não o termo padre ('sacerdos') para o ministro, mas 'presbítero' (ancião, procurador) . Esta é a confirmação de uma mudança na imagem do padre pelo Concílio, de um sagrado ministro do culto a um oficial da congregação.

"Mais uma vez, não é verdade. Por exemplo, o decreto [Presbyterorum Ordinis] n. 12 diz: 'cada sacerdote, à sua maneira, atua no lugar do próprio Cristo'. O texto latino não usa o termo "presbítero", como afirmado, mas "sacerdos"! Do ponto de vista conciliar, o termo "presbítero" não substitui de modo algum o termo "sacerdos", mas serve para distingui-lo de "episcopus", ambos pertencentes ao "sacerdotium" (cf. Presb. Ordinis 7). ."

"O falso e tortuoso apelo ao Concílio Vaticano II é uma farsa; uma decepção para os fiéis", afirma Mutsaerts. "Pois o sacerdócio, de acordo com o ensinamento do Concílio, não é de forma alguma um ofício meramente funcional de um 'ancião', mas inclui uma compreensão sacerdotal do sacerdote como aquele que oferece o sacrifício eucarístico, como ensina o Concílio quando fala do 'mistério do sacrifício eucarístico, no qual os sacerdotes cumprem sua tarefa principal' (PO 13); e, novamente, o original fala dos 'sacerdotes'."

"O conselho fantasioso ao qual os sínodos alemães se referem não existe", escreveu Mutsaerts.

Além disso, Mutsaerts afirma que os documentos do Caminho Sinodal contêm "posições que geralmente contradizem o Concílio, por exemplo, quando o Caminho Sinodal estabelece o novo ensinamento: 'A sexualidade homossexual, mesmo realizada em atos sexuais, não é, obviamente, portanto , um pecado que separa de Deus, e não deve ser julgado como intrinsecamente mau.

"O Concílio Vaticano II não menciona a homossexualidade em nenhum lugar, mas apenas porque é claro para o Concílio que a 'união íntima como dom recíproco de duas pessoas' (GS 48) é legítima diante de Deus somente no casamento de um homem e uma mulher, mulher", continuou o bispo holandês.

Mutsaerts disse que o Caminho Sinodal deve ser consistente, e não apenas exigir mudanças no Catecismo, "mas também alguns extratos da Sagrada Escritura, a Palavra de Deus, a que o Catecismo finalmente se refere (Gn 19: 1 -29; Rom . 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-19; 1 Timóteo 1:10). "

Em suma, os bispos alemães - afinal, eles deram a aprovação da maioria aos documentos - sabem mais do que os escritores sagrados. (Fonte INFOVATICANA)


Leia Também

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...