Arcebispo Scicluna quer acabar com o celibato obrigatório de padres e admira casais homossexuais

08/01/2024

O secretário adjunto do Dicastério para a Doutrina da Fé, Charles Scicluna, disse ao The Times of Malta que a Igreja deveria considerar a revisão de suas regras para permitir aos padres católicos a opção de se casar.

(Os Tempos de Malta/InfoCatólica) Chegou a hora de "discutir seriamente a questão" e "tomar decisões sobre ela", disse o prelado maltês, acrescentando que já falou abertamente sobre o assunto no Vaticano, mas reconheceu que obviamente não é sua decisão.

"Esta é provavelmente a primeira vez que digo isso publicamente e algumas pessoas acharão herético", disse o arcebispo.

"Por que deveríamos perder um jovem que seria um excelente padre, só porque queria se casar? E perdemos bons padres só porque escolheram o casamento."

Scicluna reconheceu que o celibato ainda tem e continuará a ter um lugar na Igreja, mas disse que aprendeu com a experiência que os padres também devem ter a opção de se casar, assim como nas igrejas católicas de rito oriental.

"Foi opcional durante o primeiro milênio de existência da Igreja e deveria ser opcional novamente", disse ele.

"Um homem pode amadurecer, construir relacionamentos, amar uma mulher. Do jeito que está, ele deve escolher entre ela e o sacerdócio, e alguns padres se contentam com isso entrando secretamente em relacionamentos românticos."

Ou seja, para o arcebispo, a solução para evitar que padres infiéis pecem é acabar com o celibato compulsório.

Bênção do Pecado

Quanto à nova norma contrária à fé, à moral e à doutrina católica que permite que os casais que vivem em pecado sejam abençoados, Dom Scicluna está entusiasmado:

"Estamos dizendo: quem somos nós para dizer quem pode e quem não pode pedir a bênção de Deus? Sua bênção não é um juízo de valor, não é uma confirmação de sua perfeição. Em vez disso, pedir Sua bênção é admitir que você precisa dela, e quem não precisa? disse ele.

"Isso é para casais que se encontram em situações que não são exatamente ideais, mas quando pedem bênção, estão reconhecendo que precisam de Deus. É um ato de fé Nele e em Sua ajuda".

O que o prelado chama de situações não ideais são, na verdade, situações de pecado mortal, público, notório, incompatíveis com a salvação, como ensinam as Escrituras e a Tradição.

Admire Sodomitas e Casais Lésbicos

Como nos casais heterossexuais, se dois homossexuais realmente se amam, eles alcançaram o maior ideal possível entre duas pessoas, disse ele. O casamento é diferente porque, além de ser uma união de amor, também está aberto à vida.

"Nosso ensino é muito forte e não acho negociável. O casamento é entre um homem e uma mulher e quando é aberto a filhos. Afinal, são os gametas masculino e feminino que criam um bebê", disse.

"Mas isso não significa que não existam outros relacionamentos amorosos que também mereçam a bênção de Deus, e eu admiro e abençoo esses casais por seus esforços para realmente amar um ao outro."

No documento aprovado pelo papa Francisco no mês passado, o Vaticano endossou "a possibilidade de bênçãos para casais em situação irregular e para casais do mesmo sexo".

Ele insistiu, no entanto, que as bênçãos não devem ser estabelecidas como um rito católico ou dadas em contextos relacionados a uniões civis ou casamentos. (Fonte: InfoCatolica)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...