A "Santa Luz": Um Fogo que Não Queima no Santo Sepulcro

30/03/2024

Segundo a Infocatólica, mais uma vez a tentativa de unificar as datas da Páscoa entre a Igreja Ortodoxa Russa e a Católica fracassou.

Por  P. Javier Olivera Ravasi, SE 

Como? Sim; como lemos. Ocorre que, durante séculos, os católicos romanos celebraram a Páscoa (e o Natal) "antes" deles (este ano de 2021, será em 2 de maio). O calendário litúrgico da Igreja Católica nem sempre coincide com o calendário das igrejas ditas "ortodoxas"; E isso desde 1582, ano em que o calendário gregoriano foi adotado contra o calendário juliano, vigente até então.

No entanto, mesmo antes dessa troca de agulhas, e mesmo depois do Cisma do Oriente (1054) em Jerusalém, algo estava acontecendo que hoje é quase completamente desconhecido nos círculos católicos; e estamos nos referindo ao que acontece todo Sábado Santo, segundo a liturgia "ortodoxa", no Santo Sepulcro. Como tem sido o caso há séculos, como atestam os papas da antiguidade: "o milagre da Luz".

Há muitos anos, quando estudávamos o tema das Cruzadas, lemos essa passagem que, na época, não entendíamos. Foi o famoso discurso de Urbano II durante o Concílio de Clermont, quando convocou as Cruzadas (1095) que disse:

"Parta para o Santo Sepulcro; Arrancai essas terras do poder da raça amaldiçoada e guardai-as para vós mesmos... Jerusalém... Ali Cristo morreu por nós; Lá ele foi sepultado. E no sepulcro o milagre anual continua a ser realizado. Pois, digo-vos o que bem sabeis, todos os anos, durante a Paixão, as lâmpadas eram acesas sem intervenção humana na igreja escura. E agora, apenas alguns testemunharam o milagre; Quem tem um coração tão duro que não se comover com um milagre tão grande?" [1].

Mas o que ele quis dizer? O que eram essas "lâmpadas"?

Na época, deixamos a informação passar, mas vários anos depois a entendemos.

Foi o milagre anual do "fogo santo" ou "luz sagrada" que, desde o século IV, ao que parece, vem ocorrendo quase ininterruptamente no Santo Sepulcro, o lugar onde o Corpo do Senhor foi colocado após Sua crucificação e morte.

O fenômeno, atestado por Eusébio de Cesareia (século 3) e São Gregório de Nissa (século 4), entre outros, tem sido referido como uma "luz incriada" há séculos. Em 865, o monge francês Bernardo descreve o que viu em Jerusalém:

"Na manhã do Sábado Santo, após a missa, o povo canta 'Kyrie eleison' ('Senhor, tenha misericórdia') até que as lâmpadas penduradas sobre o Santo Sepulcro sejam acesas e o patriarca comece a distribuir o Fogo entre os fiéis.")

É isso claro.

Foi apenas alguns séculos após a separação entre Oriente e Ocidente que a Igreja Católica começou a silenciar ou minimizar esse prodígio (novamente), ainda mencionado por Urbano II após o cisma. Foi o caso de Gregório IX, que denunciou, aparentemente sem provas, como uma simples fraude.

Segundo Niels Christian Hvidt, que viajou à Terra Santa para testemunhar o prodígio, isso acontece ano após ano e é testemunhado pelo Patriarca de Jerusalém e, mais tarde, pelo Patriarca Armênio, após um rigoroso exame pelas autoridades civis, tanto de suas vestes quanto do próprio lugar onde Nosso Senhor foi colocado.

Repórter: "Beatitude, o que acontece quando você entra no Santo Sepulcro?"
- "Entro no Sepulcro e ajoelho-me, com santo temor, diante do lugar onde Cristo jazia depois de sua morte, e onde ressuscitou dentre os mortos. Rezar no Santo Sepulcro, por si só, é sempre para mim, um momento muito sagrado, em um lugar muito sagrado. É aqui, onde Ele ressuscitou, com Glória, e é daqui, de onde Ele espalhou Sua Luz para o mundo.
Procuro meu caminho através da escuridão até a câmara interna, na qual caio de joelhos. Aqui, faço algumas orações que nos foram dadas ao longo dos séculos e, depois de as ter dito, espero. Às vezes espero alguns minutos, mas geralmente o milagre acontece imediatamente depois de eu ter feito as orações. Do centro da mesma pedra, sobre a qual Jesus jazia, surge uma Luz indefinível. Geralmente, tem uma tonalidade azul, mas a cor pode mudar e assumir muitas tonalidades diferentes. Não pode ser descrito em termos humanos. A luz sobe da pedra, como a névoa sobe de um lago.
Parece que a pedra está coberta por uma nuvem, mas é Luz. A cada ano, essa Luz se comporta de forma diferente. Às vezes, cobre apenas a pedra, enquanto outras vezes ilumina todo o túmulo, para que as pessoas que estão do lado de fora dele possam vê-lo cheio dessa luz. A luz não queima. Nos dezesseis anos em que fui Patriarca em Jerusalém e recebi o Fogo Santo, minha barba nunca foi queimada. A Luz é de uma consistência diferente do fogo normal que queima em uma lâmpada de óleo.
Em certo ponto, a Luz se eleva e forma uma coluna, na qual o Fogo é de natureza diferente, para que eu possa acender minhas velas Dele. Uma vez que recebi a Chama em minhas velas, saio e dou o Fogo, primeiro ao Patriarca Armênio e depois ao Copta. Então, eu dou o Chamado a todas as pessoas presentes na Igreja".

Segundo consta, o milagre não se limita ao que acontece dentro do pequeno túmulo, mas muitos relatam que as próprias velas (que os crentes lotados têm nas mãos) se acendem antes mesmo do patriarca de Jerusalém deixar o que era o túmulo do Senhor (aqui o evento em 2020, sem pessoas devido à Covid-19 e com as autoridades israelitas dentro do mesmo local).

Como em qualquer outro milagre, há quem acredite que se trata de uma fraude dos ortodoxos, dando a entender que, todos os anos, o Patriarca do dia entra de antemão com algum artifício (isqueiro, fósforos, etc.); no entanto, algo assim parece implausível por várias razões: por causa do rígido controle prévio das forças locais, por causa da dificuldade de manter uma fraude por tantos séculos (ainda mais, quando não havia fósforos ou isqueiros, há mil anos...) e por causa dos testemunhos autorizados de alguns franciscanos da Custódia que consultamos.

Além disso, há o detalhe final: testemunhas apontam que, nos primeiros minutos, o fogo não queima.

Em 2008, uma equipe de cientistas russos da Academia de Ciências Naturais Pavel Florenskii, liderada pelo Prof. Andrey Alexandrovich Volkov, fez uma série de medições físicas no túmulo do Senhor no mesmo Sábado Santo dos ortodoxos. A principal hipótese de seu trabalho era que o aparecimento do incêndio se devesse a um choque elétrico. Com base nesta versão, decidiu-se registrar o espectro eletromagnético de ondas longas durante a missa e no momento do aparecimento do Fogo Sagrado. A partir dele, concluiu-se que a radiação eletromagnética foi registrada automaticamente dentro de uma faixa de frequência de 0 a 360 kHz, com aparecimento de fogo entre 15:04 e 15:08

"Mostramos exatamente o que acontece e descrevemos o fenômeno em termos científicos", disse o professor Florenskii, observando que não poderia descartar uma procedência sobrenatural para o fenômeno.

O que tudo isso nos ensina? Que se o milagre é verdadeiro, Deus ainda continua a manifestar seus dons para o bem dos crentes, apesar da incredulidade do mundo anticristão em que vivemos.

"Mas isso", dizem alguns, "não confirmaria os ortodoxos em cisma?"

E, a resposta é que pensar assim não seria apenas uma falácia de falsa associação, mas também um erro devido à imprecisão histórica, pois – além do fato de que Deus realiza milagres quando bem entende – a data desta Páscoa é mais católica do que a Virgem Maria (não só foi celebrada por séculos antes do cisma, mas ainda é celebrada por católicos de rito bizantino).

De qualquer maneira; Devemos continuar a rezar para que um dia se reconheça a tão desejada união, sem desistir da Verdade, com aqueles que se afastaram da comunhão com Roma. (Fonte: INFOCATOLICA)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.