A Quaresma, tempo de conversão, começou na Quarta-feira de Cinzas

14/02/2024
"Você terá que admitir que as práticas penitenciais não estão na moda hoje.
A Igreja vive da fé, da esperança e da caridade. Viva pelo Espírito Santo, não mudando de moda.

As várias estações do ano litúrgico sucedem-se, assim como os ciclos vitais da natureza: primavera, verão, outono e inverno. Cada estação litúrgica e cada estação natural tem sua própria fisionomia e sua virtualidade específica. A graça especial da Quaresma é a conversão, pela qual nos preparamos para a celebração do mistério pascal: a paixão e ressurreição de Cristo, que culmina no Pentecostes com o dom do Espírito Santo.

Em outras palavras, todo tempo cristão é um tempo de conversão. Mas na Quaresma Deus quer conceder-nos graças especiais de conversão. Estejamos, pois, conscientes na fé de que a Igreja e cada um dos seus membros se encontram nesta sagrada Quarentena especialmente assistida pela graça para nos convertermos de tantos pecados que ofendem a Deus, e que nos afligem e enfraquecem, porque desobedecem ao Pai celeste, distorcem em nós a imagem de Cristo e ainda resistem ao Espírito Santo.

Baseio o seguinte artigo na Sagrada Escritura, é claro, mas também em documentos preciosos da Igreja, que recomendo como leitura espiritual na Quaresma: Paulo VI, Constituição Apostólica Poenitemini (17 de fevereiro de 1966); Novo Ritual da Penitência (=NRP, Madrid 1975); João Paulo II, Carta Apostólica Salvifici doloris (11 de fevereiro de 1984, p. 39); João Paulo II, Exortação Apostólica Reconciliatio et pænitentia (2 de dezembro de 1984); e no Catecismo, atos que compõem a penitência (1422-1460, 1471-1479); Dias e Tempos Penitenciais (1438).

Nas religiões naturais primitivas, embora tenhamos um conhecimento muito precário de Deus, do pecado e da conversão, sempre encontramos um certo senso de pecado e expiação. Como diz Paulo VI, a penitência sempre foi uma «exigência da vida interior confirmada pela experiência religiosa da humanidade» (Poenitemini, 32).

Na história espiritual de Israel há um desenvolvimento importante na ideia e prática da penitência. Logo aparece ritualizada em dias e celebrações peculiares (Ne 9; Bar 1:5-3:8), e sempre os principais atos de penitência são a oração e o jejum (1 Sm 7:6; Jó 2:8; Is 22:12; Lam 3:16; Ez 27:30-31; Dan 9,3; Hos 7:14; Joel 1:13-14; Jon 3:6).

Na penitência, os profetas enfatizam a interioridade e a individualidade. A culpa não é passada de pai para filho como herança fatal (Ez 18). Por outro lado, se o pecado foi se afastar de Deus, a conversão será voltar-se para Javé (Is 58:5-7; Joel 2:12s; Am 4:6-11; Zc 7:9-12), ouvindo-o, obedecendo às suas regras, recebendo seus mensageiros (Jr 25:2-7; Hos 6:1-3), confie nele, deixando de lado outros deuses e ajudantes (Is 10:20s; Jr 3:22s; Hos 14:4). Finalmente, será afastar-se do mal, que é o oposto de Deus, e aproximar-se dEle, a fonte de todo o bem (Jr 4:1; 25:5).

Mas será que a conversão é realmente possível? O homem pode realmente mudar através da penitência? "O etíope mudará sua tez ou o tigre sua pele listrada? Você pode fazer o bem, como está acostumado com o mal?" (Jr 13:23)... A Bíblia revela que, com a graça santificante do Senhor, a penitência é possível (Is 44:22; Jr 4:1; 26,3; 31,33; 36,3; Ez 11:19; 18,13; 36,26; Sl 50:12). É possível com a graça de Deus – orada, recebida – e com o esforço do homem: "Convertei-me, e eu me converterei, porque tu és Javé, meu Deus" (Jr 31:18; +17:14; 29:12-14; Lam 5:21; Is 65:24; Tob 13:6; Mal 3,7; Tiago 4:8).

A pregação do Evangelho começa chamando à conversão. Ela já ocupa um lugar central na espiritualidade de Israel, como pode ser visto nos Salmos, por exemplo, no maravilhoso Salmo 50. Mas é na plenitude da história da salvação que Cristo introduz na humanidade o mais elevado conhecimento de Deus, do pecado e da graça e, consequentemente, a plenitude da metanóia (Mc 1, 4), palavra equivalente a penitência, conversão, arrependimento.

Assim começa a pregação do Evangelho: «João Baptista apareceu no deserto, pregando o baptismo de penitência para a remissão dos pecados» (Mc 1, 4). E Jesus Cristo também: «Arrependei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo» (Mt 3, 2; = Mc 1, 15). Ele foi enviado por Deus "para dar a Israel penitência e remissão dos pecados" (Atos 5:31). Portanto, qualquer apresentação de Cristo ou da Igreja é falsa se não der importância central à conversão, à libertação do pecado. É uma falsificação do Evangelho. Foi assim que os Apóstolos a entenderam.

San Pedro, el día de Pentecostés, inicia la predicación apostólica diciendo: «Convertíos y bautizaos en el nombre de Jesucristo para remisión de vuestros pecados, y recibiréis el don del Espíritu Santo» (Hch 2,38). Y a San Pablo lo envía Jesús diciéndole: «Yo te envío para que les abras los ojos, se conviertan de las tinieblas a la luz, y del poder de Satanás a Dios, y reciban el perdón de los pecados y parte en la herencia de los consagrados» (Hch 26,18). Así resume la obra de su misión apostólica: «Anuncié la penitencia y la conversión a Dios por obras dignas de penitencia» (Hch 26,20).

A conversão é apresentada por Cristo como absolutamente necessária e urgente: «Se não fizerdes penitência, todos morrereis igualmente» (Lc 13, 3, 5). É ao mesmo tempo um dom de Deus e um esforço humano (Mc 10, 27; Atos 2:38). Será principalmente interno, mas também externo (Mt 6,1-18; 23,26). Não se trata exclusivamente de uma questão de consciência pessoal com Deus, mas algo verdadeiramente eclesial, uma vez que a Igreja converte os pecadores não só pelos sacramentos, mas também por exortações, mandamentos e correções fraternas e, sobretudo, por orações de súplica diante do Senhor (Mt 18, 15ss; 2 Cor 2, 8; Gl 6:1; 1Tm 5:20; 2Tm 2:25-26; 1Jo 1,9; 5,16; Tg 5:16).

Devemos evitar o mal (Atos 8:22; Ap 2:22; 9,20-21; 16:11) e volte-se para Deus incondicionalmente, obedecendo à vontade do Deus providente (Atos 20:21; 26:20) pela fé em Cristo (20:21; Hb 6:1). A conversão é, antes de tudo, um acto de amor de Deus pelo homem: «Repreendo e corrijo todos os que amo, por isso sede fervorosos e arrependei-vos» (Ap 3, 19). Mas quem rejeitar esse amor, essa graça e se recusar a fazer penitência, será punido (2:21s; 9:20s; 16,9. 11). O homem se afasta de seus pecados quando se abre, e não fecha, para a graça de Deus, que é sempre livre (Atos 11:18).

Lutero aponta que, uma vez que a natureza humana está totalmente corrompida, a justificação é somente pela fé e, consequentemente, o homem tenta em vão apagar seu pecado por meio de obras penitenciais – exame de consciência, dor, arrependimento, propósito, expiação. Tudo nele é pecado. Ao tentar converter-se, negaria a redenção perfeita e gratuita que o Crucificado obteve para nós. Ele rejeitaria Sua graça para apoiar-se na justiça de Suas próprias obras; em uma palavra, falsificaria totalmente o Evangelho genuíno, judaizando-o.

Pelo contrário, a Igreja ensinou que "Cristo é o modelo supremo dos penitentes; queria sofrer a penalidade pelos pecados que não eram seus, mas dos outros" (Poenitemini 35). E para aqueles de nós que são pecadores, Ele queria compartilhar seu espírito de penitência: Ele nos dá conhecimento de nossos pecados e da misericórdia de Deus, tristeza por nossos pecados, a capacidade de expiar e a graça de mudar nossas vidas. Ele não queria fazer penitência sozinho, mas conosco, que somos o seu corpo. Em Cristo, com Ele e por meio d'Ele, nos convertemos do pecado e fazemos penitência. E a Igreja sabe bem que ela é verdadeiramente o "sacramento universal da salvação" (Vat. II: AG 1, LG 48).

É a Igreja, ela mesma "ao mesmo tempo santa e necessitada de purificação" (LG 8c), que sempre chama todos os homens à conversão: "A Igreja anuncia aos não crentes a mensagem da salvação, para que todos os homens conheçam o único Deus verdadeiro e seu mensageiro Jesus Cristo, e se afastem de seus caminhos fazendo penitência. E aos crentes deve pregar continuamente a fé e a penitência" (SC 9b).

Há a virtude específica da penitência, que, como diz Santo Afonso de Ligório, sob a ação da graça de Cristo, "tende a destruir o pecado, na medida em que é uma ofensa contra Deus, por meio da dor e da satisfação" (Theologia moralis VI, 434; cf. Sth III, 85). Isso significa que a penitência tem um imenso poder de alegrar o coração do homem: quebra as correntes que o mantêm sujeito ao pecado, o faz passar da escravidão à liberdade, das trevas à luz, da doença à saúde, ou mesmo da morte à vida.

E essa virtude implica vários atos distintos, que exigem e possibilitam uns aos outros. Vamos lembrá-los.

O exame de consciência deve ser feito na fé, olhando para Deus. "Cada um deve examinar a sua vida à luz da Palavra de Deus" (NRP 384). O homem mais pecador – egoísta, avarento, orgulhoso, lascivo, murmurante, arrogante, preguiçoso – quanto mais pecaminoso ele é, menos consciente ele está de seu pecado. Se olhasse mais para Deus, para o seu Jesus Cristo enviado, para a Igreja, ele se conheceria melhor, que é o primeiro passo para a conversão.

A contrição deve ser buscada na caridade, olhando para Deus. Quanto mais o amor a Deus é inflamado, mais profunda é a dor de ofendê-Lo. Pedro, que tanto amou Jesus, depois de ofendê-lo três vezes, "chorou amargamente" (Lc 22,61-62). É a clara vontade de Deus que nós, pecadores, choremos por nossos pecados: "Voltem-se para mim", diz ele, "para jejuar, chorar e gemer; rasgar os vossos corações" (Joel 2:12-13). A contrição é absolutamente necessária para a conversão do pecador. Se Cristo chora pelo pecado de Jerusalém (Lc 19,41-44), como podemos nós, pecadores, não chorar pelos nossos próprios pecados? Quando formos ao sacramento da penitência, não tomemos a contrição como garantida! Busquemo-la e peçamos a Deus ainda mais do que a elaboração honesta de uma lista de pecados que confessaremos.

Peçamos a Deus "a graça de chorar pelos nossos pecados" (Orac. Santa Mônica 27-VIII) – e busquemo-laolhando para o Pai, vendo que, como o filho pródigo, buscamos a felicidade longe dele (Lc 15,11s); – olhar para Cristo na cruz, ganhando conversão e perdão ao preço do seu sangue; – olhando para o Espírito Santo, entendendo que pecar é resistir e desprezá-Lo.

O propósito penitencial é um ato de esperança, que se faz olhando para Deus. É Ele quem nos diz: «Ide e não pequeis mais» (Jo 8, 11); Ele é aquele que nos levanta da prostração e que nos dá a sua graça para começar uma nova vida.

É uma grande tentação para o homem ver-se pecador e considerar-se irremediável. Depois de uma longa experiência de pecados, de impotência para o bem, pelo menos para o bem mais perfeito, depois de não poucos anos de mediocridade aparentemente inevitável, a convicção de que "não há nada a fazer", "o meu não tem remédio" está silenciosamente se instalando nas profundezas da alma... Afirmemos a fé e a esperança: «O que é impossível para os homens é possível para Deus» (Lc 18, 27). Muitas resoluções que são feitas não são cumpridas, mas há muitas outras que nem sequer são feitas.

As resoluções devem ser firmes, prudentes, bem apoiadas por Deus, e devem ser elevadas e ousadas: «Aspirai aos dons mais elevados» (1 Cor 12, 31). Qualquer outro objetivo seria inadequado para o cristão, para o Filho de Deus, que não é feito para andar, mas para voar. Não somos simplesmente chamados a ser "pessoas de bem". Visamos – porque foi isso que Criato nos ordenou – uma perfeição sobre-humana, sobrenatural: "Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste" (Mt 5, 48).

Os propósitos não devem ser excessivamente vagos e gerais, que no final não se comprometem com nada de concreto. Algumas pessoas têm muita dificuldade em moldar suas vidas, em assumir compromissos concretos. Gostam de passar a vida sem plano, sem ordem ou concerto, o que quer que surja, de acordo com o capricho, o desejo ou a circunstância ocasional. E isso é muito ruim para a vida espiritual. Mas também não devemos tomar resoluções excessivamente definidas, pois «o vento sopra onde quer, e vós ouvis a sua voz, mas não sabeis de onde vem nem para onde vai: assim é tudo o que nasce do Espírito» (Jo 3, 8). Os cristãos carnais querem governar suas próprias vidas, andar da maneira que escolherem, fazendo certas boas obras que melhor se adaptem ao seu modo de ser. O apóstolo Tiago os corrige: "Em vez disso, deveis dizer: 'Se o Senhor quiser e nós vivermos, faremos isto ou aquilo'" (4:15). Santa Maravillas: "o que Deus quiser, quando Deus quiser, como Deus quiser".

Finalmente, a expiação pelo pecado sempre foi compreendida pela consciência religiosa da humanidade. Mas tem sido ainda melhor compreendido pelos cristãos, apenas olhando para Cristo na cruz. Vamos deixá-lo sozinho, sendo inocentes, expiar nossos pecados, ou vamos nos unir a ele na expiação? O filho pródigo, quando volta para o pai, quer ser tratado como servo contratado (Lc 15,18-19), e Zaqueu, quando se converte, dá metade de seus bens aos pobres, e devolve quatro vezes o que teria fraudado alguns (19,8). É claro: há um espírito de expiação na medida em que há tristeza pelo pecado cometido. E há o desejo de compensar na própria carne "o que falta nas tribulações de Cristo através do seu corpo, que é a Igreja" (Cl 1, 24) na medida em que há amor a Jesus crucificado. No próximo artigo, se Deus quiser, tratarei mais detalhadamente da expiação penitencial que o cristão deve viver como parte integrante de sua vida, e especialmente no tempo da Quaresma. Tão pouco se sabe e valoriza hoje sobre a penitência expiatória pelo pecado que merece ser dedicada a um artigo à parte.

A Quarta-feira de Cinzas marca o início da Quaresma. A imposição das cinzas, rito inicial de entrada dos pecadores na disciplina penitencial, com o passar do tempo foi estendida a toda a comunidade cristã, tornando-se obrigatória a partir do século XI. Desde então, a tradicional data da quarta-feira que antecede o primeiro domingo da Quaresma foi preservada.

"Ó Deus, que se curva diante daquele que se humilha e encontra prazer naquele que expia os seus pecados, escutai com bondade as nossas súplicas e derramai a graça + da vossa bênção sobre estes vossos servos que estão prestes a receber cinzas, para que, fiéis às práticas quaresmais, venham com o coração limpo à celebração do mistério pascal do vosso Filho. Que vive e reina para todo o sempre.

A imposição das cinzas no início da Quaresma é um gesto orante e penitente de origens muito antigas, pois já era praticado em Israel:

"Judite caiu de rosto no chão e jogou cinzas sobre sua cabeça, e descobriu o pano de saco que ela estava cingindo" (Jo 9:1). Os Macabeus, antes de entrarem na briga, "voltaram-se para Deus em oração; e suas cabeças estavam cobertas de pó e suas cinturas cingidas com pano de saco, prostraram-se aos pés do altar, orando a Deus para que lhes mostrasse misericórdia e hostilidade aos seus inimigos, opondo-se aos seus adversários de acordo com as promessas da lei. Quando terminaram suas orações, pegaram em armas e saíram da cidade" (2 Macc 10:25-26).

Na Santa Missa de hoje, as cinzas são impostas após o Evangelho e a homilia. No entanto, o rito também pode ser celebrado fora da MiSA. As cinzas são preparadas com os ramos de oliveiras ou outras plantas que foram abençoadas no Domingo de Ramos anterior. O ministro impõe as cinzas dizendo: "Lembra-te que és pó e ao pó voltarás", palavras que Javé dirige a Adão e Evã quando os expulsa do Paraíso (Gn 3:19). Ou diz: «Arrependei-vos e acreditai no Evangelho», desta vez citando as primeiras palavras de Cristo no início do ministério público de evangelização (Mc 1, 15).

Na quarta-feira que se inicia a Quaresma, recebemos com toda reverência a imposição litúrgica das cinzas penitenciais. E os recebemos com toda a esperança em sua virtualidade santificante, conscientes de que é sacramental da Santa Madre Igreja.

Oração pós-comunhão. "Senhor, que estes sacramentos que recebemos tornem nossos jejuns agradáveis aos teus olhos e funcionem como um remédio salutar para todos os nossos males. Por Jesus Cristo, nosso Senhor". (Fonte: InfoCatolica)

José María Iraburu, sacerdote

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...