A Páscoa das Três Encíclicas

17/05/2024

Com o título A Páscoa das Três Encíclicas, propomos recordar três importantes documentos promulgados por Pio XI no espaço de poucos dias, em março de 1937. Três encíclicas que foram dirigidas a todos os católicos do mundo e que ainda estão vivas hoje.

Por Roberto De Mattei

Pio XI, octogenário e convalescença de uma longa enfermidade que o imobilizara há meses, enfrentou três grandes desafios para a Igreja a partir das ideologias anticristãs de seu tempo: o neopaganismo da Alemanha de Hitler, com o Mt brennender Sorge, o comunismo da Rússia soviética, com Divini Redemptoris, e o anticristianismo secularista e maçônico do México, com Firmissimam constantiam. O aparecimento destas três encíclicas em apenas duas semanas é um caso único na história da Igreja.

O primeiro, Mit brennender Sorge, foi datado de Passion Sunday, 14 de março de 1937. Nela, Pio XI afirmava: "Se a raça ou o povo, se o Estado ou uma forma particular dele, se os representantes do poder estatal ou outros elementos fundamentais da sociedade humana têm um lugar essencial e respeitável na ordem natural, mas quem os arranca desta escala de valores terrenos e os eleva à norma suprema de tudo, mesmo dos valores religiosos, e, ao divinizá-los com o culto idólatra, perverter e falsificar a ordem criada e imposta por Deus, está longe da verdadeira fé e de uma concepção de vida em conformidade com ela. Sobre a fé em Deus, genuína e pura, funda-se a moral da raça humana. Todas as tentativas de separar a doutrina da ordem moral da base granítica da fé, a fim de reconstruí-la na areia movediça das normas humanas, levam, mais cedo ou mais tarde, indivíduos e nações à decadência moral. O tolo que diz em seu coração: "Não há Deus", caminha para a corrupção moral (Sl. 13[14],1). E esses tolos, que presumem separar a moral da religião, são legião hoje."

A segunda encíclica, Divini Redemptoris, foi publicada em 19 de março de 1937, festa de São José, padroeiro da Igreja e dos obreiros cristãos. Denunciando o comunismo internacional ateísta que se espalhava pelo mundo a partir da Rússia, Pio XI disse: "Pela primeira vez na história estamos testemunhando uma luta friamente calculada e cuidadosamente preparada contra tudo o que é divino (...) Tende muito cuidado, Veneráveis Irmãos, para que os fiéis não se deixem enganar. O comunismo é intrinsecamente mau, e aqueles que querem salvar a civilização cristã da ruína não podem colaborar com o comunismo em qualquer fundamento. E se alguns, levados ao erro, cooperarem no estabelecimento do comunismo em seus próprios países, serão os primeiros a pagar a penalidade por seu erro; e quanto mais antiga e luminosa for a civilização criada pelo cristianismo nas nações em que o comunismo conseguir penetrar, maior será a devastação que o ódio ao ateísmo comunista exercerá sobre elas".

Pio XI lançou um "apelo a todos os que crêem em Deus" (...) "Mas nesta luta travada pelo poder das trevas contra a própria ideia da Divindade, esperamos confiantemente que, além de todos aqueles que se vangloriam do nome cristão, todos aqueles que crêem em Deus e adoram a Deus, que ainda são a grande maioria dos homens, cooperem. Por isso, renovamos o apelo que fizemos há cinco anos na nossa Encíclica Caritate Christi, para que também todos os crentes colaborem leal e cordialmente para afastar da humanidade o grave perigo que nos ameaça a todos. Pois, como dissemos então, "sendo a fé em Deus o fundamento pré-requisito de toda a ordem política e a base insubstituível de toda a autoridade humana, todos aqueles que não querem a destruição da ordem ou a abolição da lei devem trabalhar energicamente para que os inimigos da religião não atinjam o fim tão abertamente proclamado por eles".

O Papa acrescentou: "Nas regiões onde o comunismo foi capaz de se consolidar e dominar – agora pensamos nos povos da Rússia e do México com singular afeição paterna – ele se esforçou por todos os meios para destruir (ele proclama abertamente) a civilização e a religião cristãs de seus fundamentos e para apagar completamente a memória dela do coração dos homens. especialmente os jovens. Bispos e padres foram banidos, condenados a trabalhos forçados, fuzilados e assassinados de forma desumana; Meros leigos, por terem defendido a religião, foram considerados suspeitos, foram humilhados, perseguidos, presos e levados à Justiça".

A terceira encíclica, Firmissimam constantiam, dirigia-se especificamente ao México. Foi promulgada no dia da Páscoa, 28 de março de 1937. Nela, o Papa afirmou que "é natural que, quando mesmo as mais elementares liberdades religiosas e cívicas estão sob ataque, os cidadãos católicos não se resignem passivamente a renunciar a essas liberdades". Falando das autoridades estabelecidas, "quando se verifica que esses poderes constituídos se levantem contra a justiça e a verdade a ponto de destruir até mesmo os próprios fundamentos da autoridade, não está claro como se poderia condenar que os cidadãos se unissem para defender a nação e se defender por meios lícitos e apropriados contra aqueles que usam o poder público para arrastá-la à ruína".

Pio XI não pediu a rendição, mas lembrou aos católicos que eles devem possuir "aquela visão sobrenatural da vida, aquela educação religiosa e moral, e aquele zelo ardente pela expansão do reino de Nosso Senhor Jesus Cristo que a Ação Católica se esforça por dar aos seus membros. Que poder ou força humana pode subjugá-los ao pecado? Que perigos e perseguições podem separar as almas, assim temperadas, da caridade de Cristo?" (Rm 8:35)

O mexicano Cristeros pegara em armas em nome de Cristo Rei. Pio XI aludiu à sua encíclica Quas Primas, de 11 de dezembro de 1925, na qual proclamou Cristo Rei do universo. Era uma verdade contrária às ideologias anticristãs que ameaçavam o mundo às vésperas da Segunda Guerra Mundial. Mas, mesmo nos momentos mais sombrios, a virtude da esperança alimenta a fé do cristão. E assim, em Divini Redemptoris, Pio XI afirmou: "Elevando o olhar, revigorados pela virtude da fé, já cremos que vemos os novos céus e a nova terra de que fala nosso primeiro predecessor, São Pedro. E enquanto as promessas dos falsos profetas de um paraíso terrestre se dissipam em meio a crimes sangrentos e dolorosos, a grande profecia apocalíptica do Redentor do mundo ressoa com profunda alegria do ciclo: 'Eis que faço novas todas as coisas'" (Ap 21,5)

Estes são os nossos desejos na Páscoa de 2024, evocando o das três gloriosas encíclicas de Pio XI em 1937. (Fonte: Adelante La Fe)

A beata Ana Catarina Emmerich, nas suas visões da Última Ceia, no início da "Amarga Paixão de Cristo", fala-nos de uma conversa emotiva entre Jesus e João. Nele, o Senhor "também lhe disse algo a respeito de sete igrejas, coroas, anjos, e lhe deu a conhecer representações misteriosas que, como creio, significaram várias épocas".

Virgens tolas

21/06/2024

Na catedral de Magdeburg, na Alemanha, uma das primeiras catedrais góticas daquele país, há esculturas das cinco virgens sábias e das cinco virgens tolas fora da entrada norte do transepto. Essas esculturas datam de meados do século XIII e, com grande maestria para sua época, expressam as emoções e a linguagem corporal dos personagens que...