"A fumaça de Satanás" tornou as estruturas da Igreja "irrespiráveis"

15/05/2024

O oficialismo progressista instalado em Roma há mais de uma década continua sua política de "cancelar" aqueles que, com liberdade de espírito, fingem servir a Jesus Cristo a partir da Ortodoxia e da Tradição. O que se entende por "cancelar" são todas as formas de ignorar, conspirar para silenciar, marginalizar, proibir a publicação nos meios de comunicação e nas redes sociais, e até mesmo a cessação de funções daqueles que não se curvam "sinodalmente" às ideologias e discricionariedades do Vaticano.

Por Héctor Aguer, Arcebispo Emérito de La Plata 

Bons bispos como Daniel Fernández Torres, de Arecibo, Porto Rico, e Joseph Strickland, de Tyler, Texas, foram cancelados. O cardeal Gerhard Müller não retornou para um novo mandato na Congregação (atual Dicastério) para a Doutrina da Fé. E o cardeal Raymond Burke foi mesmo privado do seu salário e do seu apartamento romano. Outros, como Dominique Rey de Fréjus-Toulon, na França, tiveram seus poderes limitados pela nomeação de novos "coadjutores" que quase co-governam essas dioceses na prática.

Há também muitos sacerdotes em diferentes partes do mundo que foram demitidos; Eles até formaram "parcerias" para ajudar uns aos outros e atender às necessidades básicas para seus meios de subsistência. Em alguns casos, eles foram deixados nas ruas e tiveram que se refugiar nas casas de seus pais idosos, irmãos ou outros parentes. Já me referi a eles em outros artigos. Recebo constantemente e-mails, mensagens e telefonemas de padres fiéis que não se encaixam no slogan oficial de "todos, todos, todos" e que, portanto, são deixados de fora do "sistema". A famosa máxima peronista foi importada de Roma: "Para o amigo, tudo; para o inimigo (suposto ou imaginado), nenhuma justiça". Até o Código de Direito Canônico parece estar morto e enterrado. Na prática, diante de acusações de "atraso", "adoradores de cinzas", "rígidos" e afins, só se pode esperar a guilhotina sem mais delongas.

Os fiéis leigos estão alarmados com tanta arbitrariedade. Eles veem como os bons padres são sistematicamente forçados a deixar suas paróquias, ou enviados para destinos considerados como "castigo". As chamadas "periferias" são os locais escolhidos para isso. Eles são literalmente deixados à própria sorte. Sozinhos, sem comunidade sacerdotal, sem recursos e expostos a todo tipo de perigos, não são poucos os que ali encontram doenças e crises. Acusações de ser "insinodal" ou de não estar aberto à "cultura do encontro" levam a várias formas de exílio.

Ou será que "encontro" se confunde com "encontro"? Não são todos os crentes, muito menos os sacerdotes, chamados a ter um encontro libertador e pessoal com Cristo, e a conduzir outros irmãos e irmãs a Ele? Ou será que o Senhor deve agora ser substituído pela "Mãe Terra", pela Agenda 2030 globalista (considerada por seus mentores como o "Evangelho do século 21"), ou pelas imposições globalistas e pela suposta "governança global" das Nações Unidas? Será que aqueles tipos pelagianos que fingem "salvar o planeta" buscam a salvação das almas?

Por mais de 60 anos, a Igreja no Ocidente sofreu um declínio sistemático no número de padres, religiosos, seminaristas e até batismos. O período glacial que se seguiu ao Concílio Vaticano II reflete um declínio aparentemente descontrolado. Não terá chegado o momento de reconhecer que só se podem esperar mais calamidades ao longo deste caminho? E mesmo que seja uma vergonha para os atuais nonagenários defensores do "espírito do Concílio", não terá chegado o momento de admitir sinceramente que a "fumaça de Satanás" tornou nossas estruturas irrespiráveis?

Certamente, a Igreja não pode ser remotamente comparada a uma multinacional. No entanto, nas devidas proporções, vale a pena fazer estas perguntas: as pessoas que fundaram várias filiais de uma empresa são mantidas e até recompensadas com promoções? Pode-se esperar que os responsáveis pelo fracasso recuperem as vendas e salvem a instituição da falência?

Hoje, o oficialismo progressista do Vaticano mostra sua ferocidade contra a liturgia tradicional. Centenas de jovens chegam a ela, enquanto nas "liturgias atraentes" as lacunas são cada vez mais perceptíveis. Jovens casais com muitos filhos também são desprezados por Roma; são parte da solução, não do problema. De fato, as estatísticas mostram que boa parte das vocações sacerdotais e religiosas vem de seu ambiente. Os jovens sacerdotes que, cheios de fervor e paixão por Cristo, procuram verdadeiramente alcançar os "últimos" e convertê-los ao Senhor, são rotulados como fechados e encobridores de vários traumas. E assim por diante. Poderíamos fazer uma lista interminável de fatos – todos eles protegidos ou justificados pela "sinodalidade", é claro.

Você não vê em Roma que o progressismo é em si mesmo estéril? Não vêem como ameaça as crianças e os jovens que, apesar do ridículo dos seus próprios párocos, passam horas e horas diante do Santíssimo Sacramento? Não vês como verdadeiros "sinais dos tempos" e como esperança fundada, os Rosários dos homens que se multiplicam nas diferentes cidades do mundo? Não apreciais o fervor de tantos jovens que encontram ou regressam à Igreja depois de se terem desencantado – precisamente – com os esquemas "progressistas"? Coincide com a flexibilidade do Vaticano no diálogo que todos os "diferentes" são muito bem-vindos, exceto os "diversos" dentro da Igreja?

Como disse em artigo anterior aos "padres anulados" e agora transfiro para todos os sacerdotes, religiosos e leigos que sofrem desta enfermidade:

Rezai uns pelos outros; Rezai também por aqueles que vos fazem sofrer. Faça-o diante do Tabernáculo, adorando o Senhor ali presente. Confiai-vos filialmente à Bem-Aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus feito Homem, Mãe da Igreja, Mãe de cada um de nós.

Como sempre, podem contar com as minhas orações, o meu carinho e a minha proximidade. E embora minha condição de octogenário e minhas limitações físicas me impeçam de me mover, saibam que estou com vocês na linha de frente do apostolado. Não vamos temer nada nem ninguém. Ressoem sempre em nossos corações as palavras de Jesus Cristo: "Eu estou sempre convosco, até o fim dos tempos" (Mt 28,20). (Fonte: El Español Digital)

Ele era popular na vida, Santo Antônio, e é assim depois de sua morte. Ele é, sem dúvida, um dos santos mais reverenciados do mundo. Ele é chamado em busca de objetos perdidos, recitando seu famoso responsory: "Se você busca milagres, veja: morte e erro banidos, miséria e diabo fugindo, leprosos e doentes saudáveis"..., "membros e bens perdidos são...

"Nenhum dos que têm o inferno diante dos olhos cairá nele; e nenhum dos que o desprezam escapará dele" (São João Crisóstomo)